O PDCA como importante ferramenta de gestão

Avaliar e medir processos é uma forma de melhorar a gestão, garantindo a qualidade e produtividade em qualquer empresa. Não por outra razão, gestores estão constantemente buscando metodologias que permitam aperfeiçoar essa tarefa. O PDCA não é uma ferramenta nova. No entanto, continua sendo bastante útil para a realidade atual.

Do inglês PDCA significa plan, do, check e act, isto é, planejar, executar, medir e agir. Essas quatro palavras sintetizam a essência do método, que permite uma análise cíclica e contínua de diferentes tipos de processos.

Para saber o que é e como funciona essa importante ferramenta de gestão, vale a pena conferir!

PDCA: o objetivo da gestão é melhorar

Você já deve ter escutado que é sempre possível melhorar procedimentos de gestão, certo? E a metodologia do PDCA foi criada justamente para facilitar a missão do gestor nesse quesito. Essa ferramenta de gestão prioriza tanto o planejamento quanto a avaliação de todo o processo. Isso significa que, a cada ciclo completado, o gestor tem mais elementos para aperfeiçoar e melhorar todas as fases do processo.

Embora essa metodologia tenha sido criada no século XX, ela continua bastante atual. Com a globalização, o aumento da concorrência e a dinamização do mercado, nunca as empresas tiveram tão preocupadas em melhorar seus procedimentos visando mais agilidade, mais qualidade e até maior produtividade.

Hoje esses fatores se transformaram em um diferencial de mercado. Portanto, é fundamental que nenhum gestor abra mão de avaliar e melhorar seus processos internos.

PDCA em fases

O PDCA, como explicamos, envolve 4 pilares que são o planejar, executar, medir e agir, que são também fases da metodologia. Para cada uma delas, o gestor deve realizar atividades específicas.

  • Planejar: nessa fase o gestor deve identificar quais são todas as fases que integram o seu processo. Elaborar fluxogramas é o primeiro passo antes de estabelecer indicadores que servirão para monitorar os processos.
  • Executar: Aqui o gestor deve executar as ações para que o processo atinja suas metas, apontadas nos indicadores.
  • Medir: Na fase de medição o gestor deve indicar se suas ações foram efetivas e geraram o resultado pretendido.
  • Agir: Por fim, é hora de analisar os resultados e aplicar as melhorias necessárias para atingir os objetivos propostos no planejamento.

A cada vez que esse ciclo termina, ele também se renova. Isso significa que todos os passos devem ser repetidos sempre visando a melhoria contínua.

Os procedimentos de uma empresa são sempre dinâmicos. Por isso, existe a necessidade da avaliação constante. Com o PDCA é possível estruturar melhorias, fazendo com que elas nunca fujam da agenda do gestor.

Benefícios do PDCA

Um dos principais benefícios do PDCA é que ele fornece elementos objetivos para o processo de tomada de decisão dos gestores. Com essa ferramenta, o gestor sempre reconhece as falhas ou pontos que podem ser melhorados, facilitando assim a sua ação.

Outra vantagem é o ganho de competitividade da empresa. Quem aplica o PDCA tende a ganhar em qualidade e agilidade muitas vezes. E, como o mercado hoje é competitivo e apenas empresas eficientes se destacam, o PDCA acaba sendo uma ótima ferramenta para quem quer conquistar seu espaço no mercado e sair na frente da concorrência.

Gostou de saber mais sobre o PDCA? O que você pensa sobre o uso dessa ferramenta? Deixe seus comentários abaixo!

Leave a Reply